quarta-feira, 12 de julho de 2017

NOUĂ ŞI JUMĂTATE DE ANI

                                                 





                                     
                                   
                                                   Onde está o mundo? Cadê a terra sob meus pés? Oh Deuses, onde estão vocês? Por que não descei, vós,  dos pedestais que os pusemos? Será preciso que o mundo todo se ajoelhe a vossos pés, para descerdes até nós humanos?
                                              Oh, infame que sou, não sei eu, que todos os segredos já me foram revelados antes?
                                                    Não sabia, eu,  que contra as forças do destino,  ninguém pode lutar e vencer?
                                          Não sabia que os donos do mundo impõem o destino daqueles que mostram aos homens como acender o lume?
                                             Oh, antes tivesse eu apagado esta tocha chamejante e deixasse na escuridão os que hoje se mostram ingratos.
                                             Comem-me o fígado em doses mínimas para que sinta maior a dor. 
                                             Oh, ingratos, nunca dantes fostes tão louvados, nunca dantes colhestes tantas flores do jardim humano.
                                              Acorrentado a este penhasco, quando chegará o dia da libertação?
                                                 Que me dizes? Ainda não nasceu meu libertador? Sei, sei mais ainda que tua ciência. E também sei que um novo senhor é sempre severo.
                                                 Tu serás sempre, Oh Poder, destituído de  piedade e capaz de toda ignomínia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

                                                       Repetir nunca é demais. No nosso caso, o silêncio é a ...