segunda-feira, 2 de outubro de 2017

EU SUNT STEPHEN PADDOCK

                                           








                                         

                                               

                                                       Sim. Sou Stephen Paddock. Que mal fiz eu, perto das atrocidades do mundo? Milhões choram menos de uma centena de mortos e alguns feridos, esquecidos dos milhões mortos pelas guerras, que nada mais são do que terrorismo de Estado. Não, não é para justificar meus atos, nem quero que me perdoem. Apenas, vejam. Não sou melhor nem pior de quem, hoje, me apedreja. Saibam. Nunca  eles vão te contar a verdade. Mentem dizendo que me matei. Dizem isto com todos. Matam para silenciar as razões de nosso ato. Manter a imagem de país uno, sem divergências. Anos ouvindo. Somos a maior nação e nossa forma de vida, a melhor. E em nome disso, mandam-nos à guerra matar irmãos. Quantos morrem, diariamente,  no mundo por nossas mãos? Um dia recebi um chamado. Uma voz nunca antes ouvista. E me preparei para servir à aquela causa. Inchalá. Deste local privilegiado eu vejo toda a orgia que se perpetra lá embaixo. Ah! humanidade podre, enquanto isto, milhões de irmãos morrem de fome, sede e frio. Nesta hora ninguém se lembra de Deus, mas daqui a pouco todos gritarão seu nome. Canto e risos serão gritos e gemidos. Ouvirá o Senhor, Deus é Grande, seus gritos? Logo, logo o FBI dirá: Um ataque isolado, de um louco, nada a ver com o Estado Islâmico. Até apelido já me dão. Lobo solitário. E como eles explicam ter eu tantas armas? Têm medo de que?  Será o povo imbecil para acreditar neles? Breve o mundo falará de mim, mesmo repetindo as mentiras oficiais, falarão. Outros irão mais longe. Indagarão de minhas razões e refletirão. Quantos estavam com ele?Vocês sabem que não estou sozinho. Alguns estão comigo, agora, mas no mundo, milhares, quem sabe? Milhões. Como eles tratam o povo? Apenas braços, quando não tiverem mais braços, descartam. Eu escolhi outro caminho. Ah, por quê não mostram minha foto de corpo inteiro? Aquela de um homem caído, sem sangue, sem marcas de tiro, sou eu? Quem acredita? Adeus vidinha medíocre de jogatinas e mesmice. 

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

NUMELE MEU ESTE HYPATIA

                                                  
                                 
                                             Eu me chamo Hipácia. Uma tarde em Alexandria. Março, 8, 415, era cristã. Quaresma. Estou vindo do Museu. Uma turba de monges e cristãos em fúria vêm ao meu encontro. Arrancam-me do carro, tomam-me nos braços e aos gritos, arrastam-me pelos cabelos nas ruas, rasgando-me vestes, conduzindo-me ao Templo Cesareum, transformado em templo cristão. Aqui insultam-me, dilaceram meu corpo com conchas marinhas e insultam-me até os momentos finais, quando nada mais vejo, nem ouço. Estou semi-nua e esvaindo em sangue. Em vão gritei por socorro.  Nestas horas o homem é covarde, como covardes quem ultraja. Os seguidores de Cristo e seu bispo Cirilo me atiçam ao fogo, quando não mais sinto o calor das chamas. Assim agem os Cristãos e continuarão agindo per omnia seculum seculorum. O torturador Cirilo é hoje é santo da Igreja. São Cirilo, que ironia, um torturador, santo. Será que todos seus devotos sabem disto? Por quê a Igreja esconde seus atos? Não respeitaram nem meus ensinamentos. Fui eu que tive a ideia e transmitir para eles a doutrina da Santíssima Trindade.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

EXECUTAREA

                                                     











                                                      Chamo-me Gaietà Ripoll Pla, hoje, 31 de juliol de 1926 estou defronte a Llotja de València para ser executado. La Plaça del Mercat esta apinhada de gente. Saiam aos montes, da l´esclesia de Saint Joan, sedentos de sangue. Só tenho 48 anos, cheio de forças, o derradeiro a ser executado pela inquisição, se eles não encontrarem outra forma de executar quem não lê na sua cartilha. Minha heresia? Não comer carne, por não fazer mal aos animais, não ensinar a venerar Maria mais que ao Senhor Jesus,  Ave-Maria Puríssima, mas louvado seja Deus, não levar meus alunos à missa, não fazer os alunos sair à porta quando soava a sineta, reverenciar o santo viático, é minha acusação. Quem detém o poder acha sempre um fórmula de condenar um inocente e inocentar um culpado. Foi sempre assim, está sendo assim comigo e o será sempre contra quem desafiar os poderosos.
                                          

sábado, 22 de julho de 2017

CONJURAȚIE,













                                                       
                                                     
                                                       
                                                     Há-de haver um jeito para sair deste labirinto. Haverá de haver uma Ariadne  para nos fiar um condutor que nos leve à saída. Inermes estamos, múticos, mas há-de se acreditar numa luz. Lumina, mas luzir, que seja a mais recôndita, a mais ignorada. Longe de todos e de tudo. Tudo tem de ser estudado, analisado, por poucos, porque o muito tem tendência a afrouxar, a se desleixar e é isto que bota a perder muitos planos. Um segredo não pode ser dito a todos com a mesma integridade. À proporção que se aumenta o número de pessoas, menos parte do segredo deve ser revelado. Infelizmente, esta é a realidade. se todos souberem a verdade, teus inimigos também a saberão e terão a maneira de te corroer por dentro que nem sentes. Há-de se guardar uma hierarquia do saber. E o que sabes deves levar para o túmulo. Esta a regra maior da nossa conjura: o segredo. O que sabemos não deve ser revelado a um que não seja dos nossos.  Ninguém que não seja dos nossos deve saber da existência de nossa conjura, muito menos do que tratamos aqui dentro. Fia no teu companheiro, mas desconfia de suas amizades. Na presença de um estranho nem uma palavra, nem um sinal de nossa existência. Não atirem a curiosidade de terceiros. Não queiras ser diferente, nem se destacar na multidão. Nossa regra é a discrição.
                                    O local nunca deve ser fixo. Lembra que Lampião resistiu tanto tempo porque não se fixou num só lugar. O inimigo nunca sabia onde encontrá-lo e até era confundido com outros cangaceiros. Poucos conheciam realmente o capitão Virgulino, apesar de sua figura impagável.
                                  Lembra-te que a Igreja Católica, a maior 
organização terrorista do mundo, permanece intacta até, em razão de sua rigorosa hierarquia e o silêncio. Inferior nunca sabe o que pensa um superior. Os Concílios eram uma verdadeira escola de terror, saiam as ordens para extermínio dos inimigos, mas nem mesmo quem executava estas ordens sabia que obedecia ordens superiores. Tudo era doutrinado de forma a ninguém  perceber que estava recebendo ordens. Aqui é o contrário: O segredo é a alma do negócio. Ah se soubéssemos tudo o que falou nos concílios. Quanto não sofreu o pobre Ário na boca de bispos, presbíteros e outros fanáticos da Igreja. Por isto devemos aprender o bem e o mal para saber exatamente como e quando aplicar um e outro. Se aplicares o bem quando deverias aplicar o mal e vice-versa, atirarás sobre ti todas as maldições do mundo, porque guarda-te de praticar um e outro na hora azada.
                                          
                                             
                                           
                                           

quarta-feira, 12 de julho de 2017

NOUĂ ŞI JUMĂTATE DE ANI

                                                 











                                             
                                   
                                                   Onde está o mundo? Cadê a terra sob meus pés? Oh Deuses, onde estão vocês? Por que não descei, vós,  dos pedestais que os pusemos? Será preciso que o mundo todo se ajoelhe a vossos pés, para descerdes até nós humanos?
                                              Oh, infame que sou, não sei eu, que todos os segredos já me foram revelados antes?
                                                    Não sabia, eu,  que contra as forças do destino,  ninguém pode lutar e vencer?
                                          Não sabia que os donos do mundo impõem o destino daqueles que mostram aos homens como acender o lume?
                                             Oh, antes tivesse eu apagado esta tocha chamejante e deixasse na escuridão os que hoje se mostram ingratos.
                                             Comem-me o fígado em doses mínimas para que sinta maior a dor. 
                                             Oh, ingratos, nunca dantes fostes tão louvados, nunca dantes colhestes tantas flores do jardim humano.
                                              Acorrentado a este penhasco, quando chegará o dia da libertação?
                                                 Que me dizes? Ainda não nasceu meu libertador? Sei, sei mais ainda que tua ciência. E também sei que um novo senhor é sempre severo.
                                                 Tu serás sempre, Oh Poder, destituído de  piedade e capaz de toda ignomínia. 

quinta-feira, 6 de julho de 2017

CONDAMNAREA

                                               



       











                                                            Talvez achem vocês que eu esteja sendo cansativo com esta lenga-lenga, mas, necessário, lembrar, relembrar, rememorar faz a gente refletir e tomar consciência do mal e não permitir que ele retorne. Voltar ao passado tem este lado bom. Te faz sofrer, mas permite que fiques alerta e ao menor sinal de perigo te afastes dele, ou o enfrentes e o derrubes antes de se instalar, pois a fortaleza depois de tomada será mais difícil de ser esvaziada dos inimigos. Alguém looked at me reproachfully. Há sempre alguém que me olha de esguelha. E eu com isto, cara feia pra mim é fome. Sigo repetindo até o final dos séculos, talvez aprendam. 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

NIMIC NOU SUB SOARE














                                                                
                                                        Nada de novo sob o sol. Quando a gente pensa que está vendo algo de novo, logo percebemos que estamos vendo a repetição do que se viu antes. A história não se repete, mas os fatos acontecem mais ou menos da mesma forma. É a roda da vida, o eterno retorno. Tudo se reproduz e volta a seu lugar. Eu já vi tudo? Sim mesmo que que tu não te recordes. Me pegaram. Puseram-me numa barra de ferro. Amarraram meus punhos, agarrados ao joelho passados por cima da barra e eu ficava ali pendurado de cabeça para baixo, a mais ou menos um metro do chão. Me carregavam para todos os lados. Às vezes colocavam uma chupeta em minhas orelhas e ligavam numa tomada elétrica. Durava pouco o choque, mas era muito doloroso e terrificante. Outras vezes vinham com um baldo d´água para simular afogamento. De vez em quando me vinha uma energia não se sabe de onde e eu lhes perguntava se a justiça sabia disto tudo. Eles dizia, a justiça hoje somos nós. Mas a maioria dos juízes sabem disto porque têm parentes nas forças e todo lhes conta o que se passa aqui. A maioria aprova nosso trabalho. Eles também querem limpar o Brasil desta praga chamada comunismo. Mas eu não sou comunista, cara. Não, e como quando você foi preso estava com um livro vermelho? Poxa, cara, apenas a capa era vermelha, porque falava do sol.
                                         E eu, cara, você não acredita. acusada de bruxaria. Tiraram toda minha roupa para ver se eu não tinha uma tatuagens de bruxaria. Como não confessava, porque não tinha o que confessar, seviciaram-me, mesmo dizendo terem medo do diabo passar para corpo deles. 
                                            Mas sua hora vai chegar. O povo se cansa de tudo. Vão descobrir que tudo não passa de um engodo. Que por detrás de tudo isto há muitos interesses não declarados. Pode ter certeza que vai aparecer um maluco, que não tive coragem de ser, e vai botar seus podres todo pra fora. Não adianta orar. Sua contrição é uma enganação. E 1494 chegará. Ah, sim, chegará. Eu sonho com isto.
                                           Vlad me chamo, Vlad Ţepeş, o terceiro da dinastia. A comida me sabe mais, enquanto aprecio uma estaca entrando pelo anus do camarada enquanto ele se retorce e geme. O gemido parece de gozo. Me excita. Dizem que Assurbanipal, também gostava disto. Será que o imito sem saber? 
                                               Eu sou Soleyman ben Mouhammad Amine el-Halaby, também conhecido como Suleiman al-Halabi ou ainda Soliman El Halaby. Sentença pela morte de Jean-Baptiste Kleber, capanga de Napoleão do Egito:  "Queimaram-me os punhos, depois fui empalado vivo. O algoz, um tal de Bartolomeu, que sejam malditos, todos Bartolomeus, se curvou sobre mim, e com uma faca fez um buraco em meu ventre, depois pegou uma estaca e enfiou em mim, batendo com um martelo, depois amarrou minhas mãos e meus pés suspendendo-me a uma altura, onde me fixou, enterrando a estaca num buraco. Nesta posição passei umas 4 a 5 horas de sofrimento, só morri logo porque um soldado, apiedando-se de mim, (No meio da barbaridade, há sempre alguém que não concorda com a barbárie, felizmente), enquanto Bartolomeu se ausentava, me deu de beber, o  que me levou logo à morte e ao fim do meu sofrimento. Pensas que já vistes tudo? Muitas coisas tu verás, enquanto o homem viver.

terça-feira, 6 de junho de 2017

TĂCEREA

 







                 





                                             Como é bom poder falar tudo o que se quer, sem preocupação de que ninguém o denuncie por suas ideias. Quantas pessoas não morreram pela palavra. Sócrates, morreu disto. Condenado a escolher entre cortar-se-lhe a língua ou a morte ,escolheu esta porque entre duas coisas, uma que  eu sei ser horrível, que é viver sem poder passar meus conhecimentos adiante. A outra que eu não conheço, que é a morte, escolho pois o desconhecido.
                              Mais perto de nós Giordano Bruno. Queimado vivo. A Igreja católica, e olha que ele era cristão, dominicano. Acusação: Atacar a Santíssima Trindade, a divindade de Cristo, a encarnação, a virgindade de Maria e outras heresias.  
                              Silêncio, a pior das condenações, por isto muitos preferem morrer a calar. Falem mal de mim, mas falem, não me ignorem, matem-me, odeio o ostracismo. Em todo caso, asculta parerea tutoror, dar fa numai ce crezi tu ca e mai bine pentru tine.
                             

quarta-feira, 24 de maio de 2017

ŞEFUL BANDEI

 









                                     




                                    E então, como não  confessara, amarram-me as mãos e os pés com uma  corda trançada que penetrava minhas carnes e nos tendões, abriram-me  a boca à força, jogando água até sufocar. Como eu nada falasse, diziam,  a prisão era provisória, mas se continuasse calado, não colaborasse, iria mofar na cadeia. O chefe é calmo,  paciente, generoso, um pai para os colaboradores, mas implacável com os renitentes, diziam.  Repetiam de minuto a minuto. Cada hora aparecia um com ares de amizade pedindo que eu entregasse o chefe da quadrilha. Só estavam interessados no chefe. Eu não sabia nem se ele era o chefe mesmo. Mas eu já não me aguentava mais e um dia chamei a turma e disse: Se preparem que eu vou entregar todo mundo. Eles festejaram minha decisão. Neste dia, mandaram buscar no Curral,  no Curral, cara, um almoço maravilhoso. Picanha regada a vinho, com sobremesa e licor francês. Disseram que era para eu relembrar os velhos tempos e se tudo corresse bem eu iria poder desfrutar de tudo isto novamente, pois a liberdade era um dos prêmios dos colaboradores.
                               Eu me sentia estar sendo chantageado, aquilo não passava de uma forma de corrupção, comprar minha liberdade dedurando pessoas, muitas delas, talvez, inocentes, mas não tinha outra alternativa. Diziam ter o controle de toda minha vida, informantes no trabalho, nas rodas que eu frequentava, e, que inclusive parentes meus, eram pagos para me vigiar, pagos com nosso dinheiro, vejam que loucura, para nos dedurar. Houve um tempo que a pessoa tinha vergonha de ser dedo-duro, hoje se orgulham disto.
                            Diziam mais, os outros presos já tinham me entregado, que eu estava nas mãos deles. Trădători, pensava, mas sem ter certeza de realmente serem traidores. Doi muito a incerteza, você não sabe com agir, é outra forma de tortura. Diziam que tinham autorização do chefe, o deles, para obter a confissão, que no caso, era mais que uma confissão, era a entrega de uma pessoa que talvez fosse, de fato inocente. Entrega, cara, diziam, não tem como ele não saber tudo. Perguntei a um deles se ele sabia o que sua mulher estava fazendo naquele exato momento e ele meu um tabefe que fiquei muitos dias com o rosto todo dolorido.
                                    Dilemă teribilă, mas acabo por dedurar todo mundo, sim. Você faria o que? Ouvindo ameaças a toda sua família, não sou tão estoico assim, vou sucumbir. Você não? Duvido, os métodos da tortura ficaram mais sofisticados. Não é tão brutal como faziam os militares. Hoje os torturadores são treinados, treinados fora, você sabe, fora. Todos os dias você lê nos jornais que um deles foi para algum lugar fazer palestras, mas na realidade foram receber instruções e treinamento. Vão aprender como blassar, sem dar na pinta. Usam a lei, a seu modo, aparentando legalidade e legitimidade.

terça-feira, 23 de maio de 2017

ATÉ QUANDO, CATILINA?












            Quo usque tandem abutere, Catilina, patientia nostra?  Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência? Por quanto tempo a tua loucura há de zombar de nós? A que extremos se há de precipitar a tua desenfreada audácia? Nem a guarda do Palatino, nem a ronda noturna da cidade, nem o temor do povo, nem a afluência de todos os homens de bem, nem este local tão bem protegido para a reunião do Senado, nem a expressão do voto destas pessoas, nada disto conseguiu perturbar-te? Não te dás conta que os teus planos foram descobertos? Não vês que a tua conspiração a têm já dominada todos estes que a conhecem? Quem, dentre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, onde estiveste, com quem te encontraste, que decisão tomaste? Oh tempos, oh costumes!
                     Cicero te pergunta, eu te pergunto e as gentes perguntam. Que respostas tu darás? Hasta quando nos farás esperar? Até quando tu dirás que eles sunt nesimțiți?

Prefaţă






                          Bună ziua,
                          
                          Cum să începi? Cum pot afla? Lasa timp spun.

EU SUNT STEPHEN PADDOCK

                                                                                                                              ...