quinta-feira, 2 de novembro de 2017

DA, EU SUNT SAYFULLO SAYPOV, UZBEC









                                         
                                                   
                                                 Sim, sou Sayfullo Habibullaevic Saypov, uzbeque,  com orgulho, mas não sou criminoso. Não o fiz por querer, por medo e raiva. Não se mata nem barata, têm sua função. Poucos, pouquíssimos, se beneficiam com a morte. Senhores da vida e da morte. Desenham nosso destino. Quanto dinheiro enviado para a guerra, para a destruição! Eles nos calam. Ai de quem lavanta a voz. Digam-me, o que me resta? Não posso mudar o mundo, fazer refletir, sim. Quero isto. O mínimo. Não é muita coisa. Não quero seguidores.  Reflexão, unicamente. A besta-fera, cara de cavalo em corpo humano, vocifera. Besta ladradora, encontrarás teu Palamades. A mim, nada resta. Esperar vingança, não justiça. Inda na masmorra esteja eu, do infante ao ancião, quero ver. Dar sua risada, tanto esquecida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

                                                       Repetir nunca é demais. No nosso caso, o silêncio é a ...